Ponto da Situação

Vicissitudes da vida, essa coisa mundana e com pouca ficção científica à mistura, fizeram com que esta semana eu quase não tenha estado online. de uma forma cândida digamos que experimentei um pouco do mundo do "Market Forces" de Richard Morgan de que já tenho falado, bem como algumas peripécias burocráticas à portuguesa dignas das melhores passagens de "O Castelo" de Franz Kafka. Coisas que só poderão ser engraçadas depois de muitos anos a ganhar lotarias, e não me parece que as probabilidades apontem para essa eventualidade.

Por isso vou pôr algumas considerações avulsas neste único post.

Primeiro, Lá ganhou o Obama e os nossos irmãos brasileiros chegaram lá primeiro que toda a gente. Obrigado Monteiro Lobato, que desde 1926 escreveste em português essa obra de FC "O Presidente Negro", ao que parece batendo aos pontos qualquer escritor ou filme anglófono. Pessoalmente, o mais antigo que me lembro aí em FC é um ensaio de Heinlein no "Expanded Universe", e o romance "The Crack in Space" ou "Fenda no Espaço" (das Publicações Europa-América) por Philip K. Dick, ambos obviamente posteriores ao grande Monteiro Lobato (o Jim Briskin de PKD é de 1966, 40 anitos atrasado).

Segundo, tenho andado com algumas leituras que andavam emperradas (Mama’s Boy de Fran Friel, uma das últimas Fantasy & Science Fiction, várias coisas de história medieval portuguesa, "A Última Colina" de Urbano Tavares Rodrigues, o "Nós, os Portugueses" e o "Bilhete de Identidade" de Maria Filomena Mónica, contos do Thomas M. Disch, bem como pedaços dos que livros que constam na listagem que está na caixa ao lado), para além de andar a escrever duas críticas, dois artigos, três contos e a ultimar uma novela de quase 21 mil palavras. A dose não é pouca 🙂 mas já estou na recta final.

Para além disso, e de nota, encontrei também um dos artigos mais interessantes e completos sobre o (nos últimos anos, eterno) tema da Morte ou Fim da Ficção Científica, pelas mãos de Nader Elhefnawy, no fabuloso site de críticas The Fix-Online, e intitulado "The End of Science Fiction": A View of the Debate, cuja segunda parte, mais dedicada ao mundo das editoras e do mercado livreiro também é bom, mas não tanto, e que pode ser lido aqui. Aconselho vivamente a sua leitura; depois de ter dado nos últimos anos, com as vozes mais causticas de Spinrad e Ben Bova sobre o assunto, parece-me ser uma bem equilibrada visão sobre o assunto.

Por questões de cosmética literário-política nacional, aconselham-se vivamente as várias entrevistas do Miguel Esteves Cardoso, na revista LER, na Sábado, etc, que proporcionam cenas delirantes como as orgias de anfetaminas, whisky e coca na antiga redacção do Independente, a par de conselhos práticos de como encarar a arte da escrita. A Literatura no seu melhor. Amanhã a ver se ponho aqui pelo menos uma citação do MEC que gostei bastante. Agora já é tarde. E boa noite.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s